Dr. Alexandre Sousa - Cadiologia

Notícias

O aumento de ácido úrico no sangue pode prejudicar o coração?

Autor: Dr. Alexandre Sousa
Data: 12/07/2016

dr-alexandre-sousa---blog---voce-sabe-o-que-e-hipercalemia O ácido úrico é uma substância produzida pelo nosso organismo e se forma a partir da quebra das moléculas de purina, uma proteína encontrada em alguns alimentos. O ácido úrico é então levado pela corrente sanguínea e excretado pelos rins.

A elevação de acido úrico sanguíneo pode ocorrer devido a desvio metabólico com excesso de formação, bem como por alta ingesta proteica, por dificuldades na excreção (quando da perda de função renal) ou então por uso de medicações que podem interferir tanto na sua produção como na excreção.

O excesso de ácido úrico no organismo pode levar a formação de cálculos renais, ou se depositar em uma articulação causando uma forte inflamação em uma doença chamada gota.

Na doença gota, o depósito de acido úrico afeta geralmente uma articulação de cada vez, e ocorre principalmente no dedão do pé (hálux), mas pode atingir também outras articulações como os tornozelos, o processo inflamatório é intenso e a articulação acometida fica inchada, bem vermelha e com forte dor, principalmente na movimentação, levando a pessoa a se afastar de suas atividades diárias.

O aumento de acido úrico já foi avaliado em vários grandes estudos pela sua forte relação com risco cardiovascular, ou seja, quanto maior o acido úrico, maior o risco de doenças cardiovasculares. Mas a comprovação de que o acido úrico seja a causa da doença sempre fica difícil, pela associação com da hiperuricemia com doença renal crônica e pela idade avançada, ambos importantes fatores relacionados a morte por causas cardiovasculares.

Por exemplo, existe forte evidência a relação da hiperuricemia com doença cardiovascular no caso em pacientes com gota. Pesquisadores da University of British Columbia estudaram 60 mil mulheres acima de 65 anos, em um estudo de casos e controles e descobriu que entre as 9642 pacientes com gota, o risco de infarto do miocárdio no seguimento de sete anos foi maior que as 48210 pessoas sem gota (controles). As mulheres com gota tiveram 39% a mais de chance de ter um ataque cardíaco.

Infelizmente, não existem estudos para avaliar se o tratamento da hiperuricemia com dieta ou medicamentos diminui este risco.

Entretanto, se você é portador de gota ou apresenta hiperuricemia, sugiro que faça dieta restritiva de alimentos que aumentem o acido úrico, e procure seu médico para verificar a potencial causa e se vale a pena interferir com medicamentos.

Caso você tenha gota é fundamental acompanhamento médico não só por este risco cardiovascular, mas também pela dor, desconforto e risco de problemas articulares no longo prazo.

1 – The Independent Impact of Gout on the Risk of Acute Myocardial Infarction Among Elderly Women: A Population-Based Study Ann Rheum Dis. 2010 Jun; 69(6): 1162–1164. Published online 2010 Feb 2. doi: 10.1136/ard.2009.122770
2 – Uric acid and cardiovascular risk considered: an update acessado no link: https://www.escardio.org/Guidelines-&-Education/Journals-and-publications/ESC-journals-family/E-journal-of-Cardiology-Practice/Volume-10/Uric-Acid-and-Cardiovascular-Risk-Considered-an-Update

Desejo receber mais informações no meu e-mail

Summer Comunicação Integrada