Dr. Alexandre Sousa - Cadiologia

Notícias

Conheça o vínculo entre o calor e a saúde do coração.

Autor: Dr. Alexandre Sousa
Data: 29/03/2016

Dr_Alexandre_Sousa_-_Blog_-_Conheça_o_vínculo_entre_o_calor_e_a_saúde_do_coração (1)
Em épocas do ano como o verão costumam haver picos de temperatura principalmente em regiões de clima tropical como no Brasil. Esta elevação da temperatura externa causa modificações nos corpos das pessoas.

É comum vermos pessoas portadoras de hipertensão arterial (a “pressão alta”) reclamando de inchaços nas pernas, dores de cabeça, sensação de falta de ar, entre outros sintomas.

A Sociedade Paulista de Cardiologia¹ afirma que, em épocas mais quentes existe um aumento de até 11% na incidência de infartos e derrames. Apesar de não ser comprovado existem algumas evidências em sua sustentação.

Com as altas temperaturas que chegaram a alcançar 40º nestes primeiros meses, perdemos muito líquido, o sangue fica mais viscoso e os vasos dilatados (aumentam de diâmetro). A quantidade de sangue continua igual. Desta forma a pressão com que o sangue passa por entre as veias e artérias é menor, fazendo com que ele chegue em menor quantidade nos órgãos e tecidos.

Pessoas com hipertensão arterial (“pressão alta”), miocardiopatias (“coração fraco ou grande”) e outras cardiopatias em geral são mais sensíveis a estas oscilações de pressão arterial e hidratação.

Além disto, as pessoas com esses problemas fazem uso de medicações que já são vasodilatadoras, que agem potencializando a dilatação existente pela alta das temperaturas externas. Outra medicação comum nestes grupos de pessoas são os diuréticos, que também atuam intensificando a desidratação. Estes dois medicamentos podem levar a quedas de pressão mais intensas nestas épocas do ano.

É fundamental rediscutir ou rever as medicações nestas épocas do ano. Mas nunca deixe de tomar as medicações sem conversar com seu médico antes. No caso de sintomas como moleza e sonolência diurna nestes períodos sugerem a queda pressórica que pode ser avaliada formalmente com a medida. (veja aqui como fazer esta medida). Mas mesmo se comprovada sugerimos fortemente conversar com seu médico antes de modificar o esquema de medicações.

Hidratar-se muito bem é o fundamental. A água além de repor o líquido que o corpo perdeu, ajudará na melhor circulação do sangue. Não existem quantidades objetivas de qual o volume de líquido nós devemos tomar por dia, mas devemos ingerir líquidos sempre que sentirmos sede. Outra indicação da nossa hidratação é a concentração da urina. No caso de urina concentrada (cor amarelo ouro) sugere fortemente desidratação. No caso de urina quase incolor, não sugere desidratação.

Lembre-se que além da ingesta líquida e principalmente nestas épocas do ano, a perda pela sudorese pode ser mais importante que a urinária. Ainda, em algumas pessoas esta perda (pela sudorese) é naturalmente maior.

Em casos de dúvidas, procure seu cardiologista, ou entre em contato conosco.

1 – http://www.socesp.org.br/blogdocoracao/2012/01/09/calor-aumento-em-11-o-risco-de-infarto-na-cidade-de-sao-paulo/

Desejo receber mais informações no meu e-mail

  • Dôuglas Caixeta

    Prezado Dr. Alexandre, como vai? espero que bem! gostaria de saber qual diferente entre a Cardiomiopatia de Takotsubo e o infarto? quais diferenças no diagnóstico? obrigado!

    • Dr Alexandre Sousa

      Douglas,
      Os sintomas são exatamente os mesmos, assim como o eletrocardiograma, que é o exame de triagem. Mesmo as enzimas não diferenciam pois pode haver liberação das mesmas.
      O diagnóstico fica por conta do cateterismo que mostra que não existem obstruções coronárias ou espasmo de artérias, acompanhado de imagem característica de constrição da base do ventrículo esquerdo na ventriculografia (que faz parte do cateterismo).
      Obrigado pela visita ao site!

Summer Comunicação Integrada